Livros e mais livros

maio 21, 2008

Os livros de que mais gosto estão em branco. São aquelas cadernetas Molesquine de capa preta e elástico, que segundo a propaganda, eram usados por Hemingway, Picasso e alguns outros ícones da literatura ou do desenho mundial. Mas não é só por causa dos Molesquines e outros cadernos ou livros em branco que entro nas livrarias. Quando posso, entro em todas as que vejo. Gosto de olhar o que está em destaque, como as obras são organizadas, quais áreas atraem mais gente. Dou uma espiada nas novidades sobre comunicação e televisão e nos best-sellers que já lí ou que ainda quero ler. Gosto, especialmente, de conhecer as velhas livrarias. Aquelas que são tradição de seu ramo de negócio.

Algumas, como a Livraria Bertrand, de Lisboa, atendem ao público há mais de dois séculos. A loja ao lado, embora com a logomarca modernizada, funciona desde 1732. Ali, no mesmo local, ao pé do largo do Chiado, quase em frente à Cafetaria A Brasileira, por onde circulava Fernando Pessoa. Hoje não circula mais, mas continua lá, imortalizado em bronze.

Outras, fizeram questão de permanecer intactas. Manter tudo como sempre foi e fazer de conta que o tempo não passou, que não mudaram os fregueses e suas necessidades, que ainda se lê como antigamente. Que os livros são a fonte mais importante.

Nessas livrarias, o estoque de livros é apenas um dos itens a levar em consideração. É o passado que funciona como cartão de visitas. O mobiliário, a disposição das estantes, o inusitado da arrumação das obras atraem os visitantes, mesmo que não sejam compradores de livros.

Nesta viagem conheci pelo menos duas livrarias impressionantes.

A primeira, no Porto, lembrou o “cemitério dos livros esquecidos” descrito por Carlos Ruiz Zafón no livro “A Sombra do Vento”. Emocionante homenagem ao poder dos livros. A história se passa na Barcelona franquista, do início do século XX, quando um menino é levado pelo pai a uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo. Esquecidas pelos leitores.

A Livraria Lello, se fosse um pouco maior e secreta, seria o próprio cemitério dos livros esquecidos. Confiram nas fotos abaixo.

Só a escada mereceria uma tese de doutorado. Aliás, um ensaio fotográfico sobre a própria casa – com sua inacreditável escada de madeira e piso vermelho – é a obra mais vendida pela livraria Lello. Foi editado em todos os idiomas europeus e custa 20 Euros. Quase 60 Reais.

A outra livraria inusitada que conhecemos é a Livraria Esperança, em Funchal, na Madeira. Único lugar no mundo onde vi os livros expostos um a um. Por todos os lados. Em todas as paredes. Em cada uma das estantes.

O slogan da Livraria Esperança anunciava: uma das maiores livrarias do mundo. Entre e confira. Entramos somente na área de livros infanto-juvenis.

E ficamos boquiabertos.

Está aí o registro do espanto do Fred, para que eu não minta sozinha.

Anúncios

3 Respostas to “Livros e mais livros”


  1. uma miniatura de como seria a biblioteca de babel! 😉


  2. o café-da-manhã é um livro que ele “se deu de presente” quando fez 50 anos.

  3. Marianna Teixeira Soares Says:

    maravilhoso!!
    como você escreve bem. vou indicar às meninas da editoratrix.
    tenho certeza que vão adorar!
    bjs
    mari


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: